alimentação mais saudável

10 dicas para mudar de hábitos e ter uma alimentação mais saudável

Cada vez mais pessoas se conscientizam de que há algo errado e precisam ter uma alimentação mais saudável. Não fosse assim, o mundo científico não estaria declarando a obesidade como uma epidemia, fator de risco para doenças graves como diabetes e câncer.

Mas não é só a obesidade que está relacionada a hábitos alimentares equivocados e nocivos. A função de uma alimentação mais saudável é fornecer nutrientes e energia para o funcionamento do nosso corpo. Logo, para que o ato de comer seja um hábito salutar, é necessário que os alimentos ingeridos cumpram essa função, sem excessos e sem deficiências.

Um corpo bem-nutrido é um corpo saudável e quem tem um corpo saudável vive bem melhor

Isso não quer dizer que sua relação com os alimentos não possa ser uma relação de prazer. Afinal de contas, ninguém precisa contar isso a você. Comer deve ser, sim, um momento de prazer, mas não o único, tampouco a comida deve estar relacionada a estado de espírito. Se isso está acontecendo, é hora de procurar ajuda. 

É provável que o profissional lhe convença a trocar a comida por algumas dezenas de minutos na academia. É melhor do que comer demais, porque grande parte do que o organismo não aproveita vira gordura armazenada, principalmente no abdômen.

Fazer exercícios, ao contrário, queima gordura e fortalece toda a cadeia estrutural do corpo, incluindo músculos e ossos. Mais pontos para sua saúde. 

10 dicas de alimentação mais saudável, segundo o Ministério da Saúde

Vamos falar, então, especificamente de alimentos, recorrendo ao Guia Alimentar para a População Brasileira, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Indec), em parceria com o Ministério da Saúde.

Você certamente terá uma vida muito melhor e mais saudável.

1 – Dê preferência aos alimentos naturais

“Dar preferência” aos alimentos naturais é quase incorrer num eufemismo. Na verdade, o ideal é que 100% do que você come seja natural. Como isso nem sempre é possível, evite ao máximo os alimentos industrializados, pois eles estão na lista de fatores de risco para o aparecimento de doenças crônicas e degenerativas como diabetes, câncer, Alzheimer.

2 – Moderação no uso de óleo, sal e açúcar

Escolha a forma correta desses alimentos para não ter as doenças provenientes do seu uso prolongado. No caso do sal, opte pelo sal integral, ou seja, com todos os minerais que já têm no mar. Portanto, prefira o sal grosso ou o sal rosa do Himalaia. Óleos, só o óleo de coco para cozinhar e azeite de oliva cru na comida depois de pronta e nas saladas. Se você é daqueles que não pode viver sem açúcar, vá para o açúcar de coco, pois tem o menor índice glicêmico. Mesmo assim não exagere.    

3 – Limite o consumo de alimentos processados

Muitos alimentos passam por pequenos ou grandes processamentos nas indústrias. Processar o alimento significa tirar a sua energia vital e seus nutrientes naturais. Por isso, sempre que puder, escolha os naturais e frescos. 

4 – Não confie nos ultraprocessados

O pior desses alimentos é que a propaganda ainda tenta convencer você de que eles são saudáveis. Não caia nessa. Refrigerantes e energéticos? Fuja deles mais que tudo. Até a forma como são produzidos, distribuídos, comercializados e consumidos afeta vários aspectos da vida humana e ainda traz prejuízos ao meio ambiente.

5 – Atenção aos horários das refeições e à mastigação

Além disso, é ótimo para o seu sistema gástrico e para o seu metabolismo se você tiver alguma disciplina nos horários das refeições e também ao mastigar. Então, reserve um tempo para comer e saborear os alimentos. Esse é o “seu momento”. Deixe o celular na bolsa.  

6 – Faça a feira

Certamente, não existe lugar melhor para comprar alimentos naturais e frescos. Sobretudo, é um ato de amor com você mesmo, trazendo alimentos vivos e cheios de energia para sua mesa.    

7 – Mão na massa

Mesmo que você não tenha desenvolvido habilidades culinárias, chegou a hora de começar. Preparar os seus próprios alimentos faz com que a sua relação com eles mude. Além disso, cozinhar é uma verdadeira terapia. Experimente.

8 – Planeje o que vai comer

É lógico, quase tudo na vida se planeja. Que tal fazer compras semanais e deixar o cardápio mais ou menos adiantado? Mas deixe um espaço para o improviso, porque a vida não é uma linha de produção industrial.

9 – Esqueça o fast food

Se você não quer ter crianças obesas, mantenha-as longe dessas fábricas de maus hábitos alimentares. Estas são um dos vilões da epidemia de obesidade que assola a humanidade, graças ao alto valor calórico e ao baixo valor nutricional dos produtos que essas empresas comercializam. Dê para suas crianças uma alimentação mais saudável.

10 – Cuidado com a propaganda!

Para encerrar, lembre-se de que a indústria quer sempre convencer você a consumir o que ela produz. Para isso, existe a propaganda, a publicidade, que tem por objetivo fazer você acreditar em coisas que nem sempre são verdadeiras.

Leia mais e diversifique as suas fontes. Isso qualificará as suas decisões na hora de escolher uma alimentação mais saudável e também de fazer outras boas escolhas sobre diversos assuntos. A alimentação é só o começo para uma nova vida. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em Manaus!

Comentários
Dra. Aidalina

Posted by Dra. Aidalina