fadiga

Existe relação entre fadiga e hormônios?

Sensação de cansaço excessivo, pouca energia e desejo de permanecer na cama o dia todo são características da fadiga. O problema atinge diretamente o cérebro, nas regiões do hipotálamo e da hipófise, mais precisamente. Isso desregula a liberação dos hormônios da fome, do sono e do estresse, como o cortisol, por exemplo.

Quando há esse desequilíbrio de forma mantida por mais tempo no organismo, o resultado é a fadiga. Esse estado de fadiga afeta o ritmo natural do metabolismo e desencadeia dificuldades no sistema cardiovascular e na digestão, principalmente. Isso mesmo, vai ficando mais lento. Mas outras glândulas também são afetadas. 

Os hormônios mais relacionados ao problema são: o T3 e o T4, produzidos na glândula tireoide, por causa de um hipotireoidismo; e o cortisol, produzido na glândula adrenal. Este se desequilibra em resposta ao estresse crônico. 

Vamos entender um pouco mais sobre o assunto. Confira!

O papel das atividades hormonais no corpo

Os hormônios desempenham papel principal na saúde do corpo, já que intervêm nas funções da maioria dos órgãos. Eles são transmissores químicos que se encarregam de estimular o funcionamento das células e regulam os processos psicológicos. Além disso, participam de forma ativa no metabolismo, no crescimento e nas funções sexuais.

Quando há desequilíbrio dos hormônios, todo o corpo sente o efeito. É desencadeada uma série de sintomas, que certamente vão afetar a qualidade de vida. A seguir, conheceremos alguns deles.

Hipotireoidismo e fadiga 

Os hormônios da tireoide influenciam no ritmo de trabalho das células. A glândula tireoide é essencial para o funcionamento dos órgãos, além de desempenhar uma função relevante no metabolismo, ao atuar no gasto calórico, por meio dos seus hormônios T3 e T4.

Quando cai ou cessa a produção deles, o metabolismo passa a funcionar mais lentamente e a pessoa pode sentir desânimo e apatia. A baixa produção ou a falta pode agravar a sensação da perda de energia e causar sintomas de depressão. Além disso, sintomas físicos, como dores musculares, também estão presentes.

Um das formas de tratar a doença é por meio da reposição hormonal. Diariamente, deve ser feito uso da levotiroxina. Esta medicação oral restaura os níveis hormonais adequados, revertendo os sinais e sintomas.

Desequilíbrio adrenal e fadiga 

Também chamadas de suprarrenais, as glândulas adrenais são responsáveis pela síntese do cortisol, da adrenalina e da dopamina.

Quando o corpo passa por estresse físico ou emocional durante um longo período de tempo, altas quantidades de cortisol e adrenalina são liberadas no organismo. Como consequência, uma série de desajustes internos resulta em apatia e dificuldade de relaxar o corpo de maneira natural. Com o tempo afeta completamente a energia vital e baixa a qualidade de vida.

Além disso, em altos níveis sanguíneos, esse hormônios prejudicam o funcionamento dos neurotransmissores no cérebro, deixando a pessoa ansiosa, com dificuldade de concentração e de sono profundo.

O tratamento para fadiga consiste em praticar atividade física prazerosa, que alivie as tensões, e manter uma alimentação saudável. Além de suplementação dos nutrientes que faltam para as células trabalharem em plenitude.  Em casos extremos, a recomendação é o uso de medicamentos, conforme orientação médica.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em Manaus!

Comentários
Dra. Aidalina

Posted by Dra. Aidalina