tratamentos diabetes

Saiba quais os tratamentos mais indicados para cada tipo de diabetes

Diabetes é uma doença crônica caracterizada por um aumento da glicose (níveis de açúcar) no sangue, o que se chama hiperglicemia. Essa glicose elevada no sangue é resultado de uma produção insuficiente do hormônio insulina ou pela ação ineficiente da insulina. Em determinados pacientes, observa-se uma combinação de ambos os fatores.

A insulina é um hormônio produzido e liberado pelo pâncreas, o qual tem, dentre as finalidades, metabolizar os carboidratos no sangue. Ela permite que a glicose entre nas células do corpo e seja utilizada para gerar energia. Se houver uma disfunção em qualquer etapa desse processo, muitas vezes é preciso fazer a reposição exógena (de fonte externa) de insulina por meio de injeções diárias do hormônio.

Os tipos de diabetes mais frequentes

Diabetes Tipo 1

Manifesta-se quando o pâncreas não secreta a quantidade satisfatória de insulina para o uso diário do organismo. De modo seletivo, as células β pancreáticas, que produzem a insulina, são destruídas. A doença aparece especialmente em crianças e jovens, porém pode afetar indivíduos de qualquer faixa etária. 

Tratamento

O tratamento consiste na aplicação da insulina diariamente, conforme dose recomendada pelo especialista. No entanto, é imprescindível complementar a terapêutica com uma alimentação balanceada adequada para controle de diabetes, e a prática regular de atividade física. Nesse caso, o próprio diabético deve fazer o controle diário dos níveis de glicose para ajustar a  dose de insulin, se for o caso. Outro ponto essencial é o acompanhamento periódico do seu médico.

Diabetes Tipo 2

É a categoria mais frequente da patologia, ocorre em 90% dos casos. Ela surge quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o hormônio não é usado de maneira eficiente pelo organismo. O principal gatilho para desencadear essa doença é o consumo diário de alimentos excessivamente processados industrialmente, com excesso de açúcar e toxinas químicas agressoras ao pâncreas. Na sequência, a obesidade é a condição certa para o aparecimento de diabetes com o passar do tempo.   

Normalmente, a condição é diagnosticada em pessoas com mais de 40 anos, mas pode ser detectada antes. Isso acontece porque a disfunção, com frequência, permanece assintomática por anos e só é identificada em testes de rotina ou se manifestar alguma complicação.

Por haver distintas alternativas de tratamento, a abordagem tem de ser individualizada. Os pilares para o controle do problema são: mudanças no estilo de vida, cuidados alimentares e fármacos prescritos pelo profissional de saúde.

Diabetes Gestacional 

É quando se percebe a anomalia no metabolismo da glicose pela 1ª vez durante a gestação. Essa alta nas taxas de açúcar no sangue da grávida pode prejudicar o feto e precisa ser contida por toda gravidez. O mais comum é que o quadro desapareça após o parto. Contudo, sabe-se que ter o quadro na gestação significa uma probabilidade maior de a mulher apresentar o diabetes tipo 2 no futuro. Já os bebês nascidos de mães diabéticas possuem risco acrescido de obesidade, bem como de desenvolverem perturbações na metabolização da glicose.

O tratamento é a aplicação de insulina diariamente durante toda a gravidez. Mas a dosagem vai variar de acordo com o trimestre em que se encontra a grávida.

Há outros tipos de diabetes, mas esses três são os mais frequentes e de maior impacto social e econômico. Então, se você se enquadra no estilo de vida que prioriza alimentos industrializados, excesso de açúcar e produtos adocicados e está obeso ou obesa, procure seu médico para lhe ajudar a reverter esta situação. Sempre vale a pena recomeçar. E a hora de fazer o recomeço para uma vida melhor é agora.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em Manaus!

Comentários
Dra. Aidalina Nascimento

Posted by Dra. Aidalina Nascimento