A perda de massa óssea durante o processo de envelhecimento é um problema comum, que, somente no Brasil, atinge 10 milhões de pessoas. Chamada de osteoporose, essa é uma patologia metabólica que deixa os ossos frágeis e porosos, sujeitos a fraturas. É mais comum em pessoas do sexo feminino. Há uma estimativa de que uma em cada três mulheres com mais de 50 anos sofrerá fraturas provocadas por tal problema. Isso acontece devido à diminuição na produção de estrogênio após a menopausa. Para se ter uma ideia, quando se trata do sexo masculino, esse índice é de um cada cinco homens nessa mesma faixa etária. Essa patologia é perigosa para o corpo humano porque sua progressão aumenta o risco de fraturas. Geralmente as áreas mais atingidas são quadril, costelas e fêmur. Vamos saber mais sobre essa doença e como se prevenir?

Causas da osteoporose

A estrutura óssea é formada por células chamadas osteoblastos e osteoclastos, que são responsáveis pelo ciclo de renovação contínua dos ossos. As células osteoclásticas absorvem os minerais. Esse processo elimina áreas do osso, criando, dessa maneira, várias cavidades. Isso acontece para reabsorver as áreas envelhecidas dos ossos. Enquanto isso, as células osteoblásticas preenchem essas cavidades formadas no processo anterior. Assim, a cada três meses aproximadamente, 10% do esqueleto se renova. A osteoporose acontece quando há um desequilíbrio entre esses dois tipos de células, fazendo com que os ossos fiquem cheios de poros (pequenos buracos). Ou seja, quando a absorção de células velhas aumenta, mas a formação de células novas diminui, não conseguindo fechar os poros com células novas. Como o estrogênio é um hormônio importante para a fixação do cálcio no osso, à medida que as mulheres  envelhecem, tornam-se suscetíveis a desenvolver osteoporose. Começa com uma osteopenia (redução inicial da espessura do osso) e evolui para a osteoporose. Entre os fatores de risco que podem levar à condição, estão:

Sintomas

A perda óssea é considerada uma doença silenciosa, uma vez que os sintomas não são evidentes. Por isso, os  primeiros sinais podem surgir apenas quando a pessoa já está em um estágio avançado. Geralmente, fraturas espontâneas correspondem ao primeiro indício de que os ossos estão fracos e porosos. Essa fratura pode ocorrer, por exemplo, por uma queda ou um baque simples, já que o osso não é mais capaz de suportar pequenos esforços e traumas. Justamente por isso é essencial o diagnóstico precoce, uma vez que, com a prevenção, é possível evitar fraturas. O diagnóstico é realizado por meio do exame de densitometria óssea. Esse exame tem o objetivo de medir a densidade mineral do osso comparando os resultados encontrados aos valores de referência. Diante disso, podem ser encontradas três faixas de densidade: normal, osteopenia e osteoporose.

Tratamento para a osteoporose

Para tratar a doença, é preciso investigar o motivo que a provocou, para que, assim, o tratamento seja realizado de forma efetiva. Mas, a base do tratamento é uma mudança na dieta para que a perda óssea seja contida. Por isso, alimentos ricos em cálcio, fósforo, magnésio, vitamina K e vitamina D são acrescidos na alimentação. Pode ser preciso, ainda, recorrer ao uso de suplementos de cálcio e vitaminas K2 e D, caso a alimentação não supra tais necessidades. Para o tratamento de osteoporose, também são utilizados medicamentos. Eles melhoram a resistência dos ossos, impedem a degeneração e estimulam a reconstrução óssea. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em Manaus!